NOTÍCIAS

shutterstock

Automação industrial a serviço da saúde

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Google+

Prédio de Monoclonais do Instituto Butantan conta com tecnologia de ponta para a produção de medicamentos para  câncer e doenças autoimunes

 

 

A IASTECH tem expertise no setor de integração de sistemas no ramo farmacêutico e um dos mais recentes projetos nesta área foi nos Prédios Monoclonais (Mabs) do Instituto Butantan – IB, em São Paulo.

 

A construção da fábrica é fruto de uma parceria para Desenvolvimento Produtivo aprovada pelo Ministério da Saúde. Na nova estrutura, serão produzidos seis novos medicamentos para tratamento de câncer e doenças autoimunes, consolidando o Butantan como um dos poucos centros biomédicos do mundo a produzir e fornecer medicamentos de alto custo.

 

A IASTECH entregou ao Instituto Butantan um projeto habilitado ao novo cenário da Indústria 4.0, atendendo a todas as normas de órgãos regulatórios nacionais e internacionais, dentre eles a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Food and Drugs Administration (FDA) e European Agency for the Evaluation of Medical Products (EMEA).

 

O Projeto Mabs é o quarto projeto desenvolvido pela IASTECH para o Instituto Butantan

Com o uso de tecnologia de ponta, a IASTECH desenvolveu o sistema para automação da fábrica, uma importante contribuição para a saúde pública brasileira. Tecnologia esta que garantirá o controle da qualidade da produção. Aliás, o Mabs já é o quarto projeto desenvolvido para o IB – anteriormente, foram implantados sistemas de automação para os laboratórios de estudos sobre a dengue, raiva e pesquisas sobre artrópodes.

 

Neste projeto dos Monoclonais, foram incluídas as seguintes utilidades: HVAC (Heating, Ventilating and Air Conditioning), que se trata do controle do ar-condicionado no ambiente de produção; FMS (Flexible Manufacturing System), que faz o monitoramento do ambiente de produção, garantindo controle total da temperatura, pressão e umidade; Interlock, que faz o controle de acesso aos ambientes de produção; Loop de PW (Purified  Water), com distribuição de água purificada; e Neutralização e descontaminação dos efluentes produzidos nos laboratórios.

 

Para o gerente de negócios Anderson Maciel, três pontos do projeto Mabs merecem destaque no sistema implantado pela IASTECH: o fornecimento de água purificada, essencial para a produção de injetáveis; a descontaminação dos efluentes que podem conter resíduos da produção de medicamentos e o HVAC, que faz o controle das variáveis do ambiente, como a temperatura e umidade, cruciais para a produção segura.

 

“A indústria farmacêutica não pode produzir em qualquer ambiente. É preciso controlar umidade, temperatura e pressão, para que a sala onde o medicamento é produzido esteja estéril. Qualquer alteração nestas condições pode ocasionar uma parada e necessidade de esterilização do ambiente”, explica Maciel.

 

 

Rastreabilidade

Dentre as diversas tecnologias importantes empregadas nesse projeto, é possível citar o sistema MES, que entrega os recursos de Rastreabilidade Operacional (Audit Trail), Rastreabilidade de processos (PIMS), Paperless e Real Time Information.

 

A Rastreabilidade Operacional (Audit Trail) consiste no monitoramento dos sistemas de automação dos processos produtivos. “Tudo o que acontece é registrado e armazenado, alarmes e eventos. Toda condição anormal, além de ser mostrada em tempo real, fica armazenada em banco de dados criptografado à prova de violação.

 

“A rastreabilidade é requisito obrigatório na indústria farmacêutica e garante a procedência e qualidade dos produtos caso ocorra algum desvio”, explica o engenheiro de automação Abner Moor.

 

Outro importante papel do Audit trail ou trilha de auditoria é, registrar todas as ações manuais feitas nos sistemas de operação e controle. “Antes de fazer a alteração de um parâmetro crítico para o processo ou uma ação de abertura/fechamento de uma válvula de adição de água PW pela operação, por exemplo, o operador assina eletronicamente, respondendo as seguintes perguntas exigidas por norma específica: quem fez, quando fez, o que fez, por que fez”, completa Moor.

 

A rastreabilidade de processos (PIMS) é outro diferencial no projeto Mabs. “Todas as variáveis críticas, como temperatura, pressão, umidade, vazão, condutividade, também são coletadas e registradas em banco de dados inviolável. “Caso um desvio de qualidade seja detectado, o Departamento de Qualidade será capaz de cruzar dados e gerar informações relevantes que possam conduzi-los à causa do problema”, esclarece Abner Moor.

 

Real Time Information

Outro quesito indispensável no projeto é a Real Time Information, a informação em tempo real. Neste caso, tudo o que acontece no processo produtivo está disponível em tempo real para consultas e tomadas de decisões, permitindo que seja possível se adiantar a possíveis problemas e necessidades de paradas.

Paperless

Paperless, ou seja, a eliminação dos papeis na produção, ou seja, relatórios eletrônicos, também é um dos pontos de destaque do Mabs. Isso possibilita uma base única de dados/informação, evitando erros como uso de versões superadas, erros de digitação ou escrita, bem como facilitando a interpretação de uma informação crítica.

 

A IASTECH oferece diversas soluções completas para o setor farmacêutico, tendo atendido as principais indústrias farmacêuticas do Brasil. Conheça mais sobre a nossa atuação neste segmento clicando aqui.

 

 

Buscar

Novidades

Tags

Soluções Tecnológicas para maior Produtividade

iastech automacaoindustrial

Orçamento

Preencha abaixo as informações da sua necessidade (projeto ou serviço), que entraremos em contato.